Critérios de medição – Movimento de terras

02/10/2016 | Biblioteca - Critérios de medição

6 – Movimento de terras

6.1 – Regras gerais

  1. As medições de movimento de terras serão individualizadas nas rubricas seguintes:
    1.  Terraplenagens
    2. Movimento de terras para infra-estruturas
  2. Serão referidas nas medições as informações mencionadas no projecto, relativamente às condições seguintes:
    1. Planimetria e altimetria especialmente no caso de relevo acidentado ou de grande inclinação
    2. Natureza e hidrologia do terreno de acordo com os resultados do reconhecimento ou da prospecção geotécnica
    3. Existência de redes de distribuição de águas, esgotos, electricidade, telefones e gás ou outras instalações e quaisquer construções ou obstáculos que possam ser atingidos durante a execução dos trabalhos existência de terrenos infestados ou infectados;
    4. Localização de construções na vizinhança do edifício que possam ser afectadas pelas escavações.
    5. A classificação dos terrenos será realizada de acordo com a Especificação LNEC – E 217 – “Fundações Directas Correntes. Recomendações”.
  3. As medições serão agrupadas em rubricas próprias de acordo com as condições de execução ou com os meios a utilizar na realização dos trabalhos. Segundo este critério, na medição destes trabalhos podem assim ser consideradas diferentes classes de terrenos
  4. Os trabalhos realizados em condições especiais devem ser medidos em rubricas próprias, nomeadamente nos casos seguintes:
    1. Trabalhos realizados abaixo do nível freático. Os trabalhos relativos as bombagens poderão ser medidos durante a execução das escavações;
    2. Trabalhos realizados em locais infectados ou infestados;
    3. Trabalhos realizados em terrenos com relevo muito acidentado ou de grande inclinação;
    4. Escavações junto de construções que obrigam à adopção de medidas especiais de segurança.
  5. As medidas para a determinação das medições serão obtidas a partir das formas geométricas indicadas no projecto sem consideração de empolamentos
  6. O aluguer de locais para depósito, as taxas de vazadouro ou o custo de terras de empréstimos serão referidos nos artigos de medição respectivos.

6.2 – Terraplenagens


orcamentos-criterios-de-medicao-de-movimento-de-terras

6.2.1 – Decapagem ou remoção de terra vegetal

  1. A medição será realizada em:
    1. m2 para trabalhos cuja profundidade não ultrapassa 0,25 m;
    2. m3 para trabalhos cuja profundidade ultrapassa 0,25 m.
  2. A medição em m2 será efectuada segundo as áreas determinadas em projecção horizontal.
  3. A medição em m3 será efectuada a partir das áreas determinadas em projecção horizontal multiplicadas pela profundidade média das escavações.
  4. A medição engloba as operações relativas à execução dos trabalhos de remoção da camada superficial de terra vegetal, nomeadamente: escavação, carga, transporte descarga e espalhamento.
  5. Sempre que necessário, as operações da alínea anterior poderão ser medidas em rubricas próprias.
  6. As medições indicarão a distância média provável de transporte e, sempre que possível, o local de depósito ou vazadouro dos produtos da decapagem

6.2.2 – Escavação

  1.  A medição será realizada em m3
  2. A medição engloba todas as operações relativas à execução dos trabalhos de escavação, nomeadamente: escavação, baldeação, carga, transporte e descarga.
  3. Sempre que necessário, as operações da alínea anterior poderão ser separadas em rubricas próprias.
  4. As medições indicarão a distância média provável de transporte e, sempre que possível, o local de aterro, de depósito ou vazadouro dos produtos da escavação.
  5. As alvenarias, betões ou outras obras enterradas serão deduzidas da medição e consideradas no capítulo de Demolições.
  6. A escavação de terras de depósito ou de empréstimo será também incluída nesta rubrica.

6.3.3 – Regularização e compactação superficial

  1.  A medição será realizada em m2
  2. As medições serão efectuadas segundo as áreas determinadas em projecção horizontal. A medição da regularização e compactação superficial de taludes de diferentes inclinações deverá fazer-se em rubricas separadas
  3. A medição engloba todas as operações necessárias à execução dos trabalhos de regularização e compactação.
  4. Sempre que necessário, as operações da alínea anterior poderão ser separadas em rubricas próprias.
  5. As medições indicarão a espessura da camada de aterro ou de terreno, interessada na compactação, que for mencionada no projecto.
  6. A compactação superficial de terras só será considerada isoladamente quando não for acompanhada de reposição de terras.

6.3 – Abertura de valas, trincheiras e poços

orcamentos-criterios-de-medicao-de-escavacao

4.3.1 – Escavação livre

  1. A medição será realizada em m3
  2. A determinação das medidas obedecerá às regras seguintes:
    1. As dimensões em planta são as indicadas no projecto
    2. As alturas ou profundidades serão medidas a partir do nível do terreno antes da execução das escavações e incluem a espessura do betão de protecção ou de limpeza.
  3. Os volumes de escavação devem ser considerados divididos em diferentes camadas com 1,50 m de espessura em profundidade;
  4. A escavação de valas e de trincheiras com desenvolvimento em curva devem ser medidas em rubricas próprias.
  5. A medição engloba todas as operações relativas à execução dos trabalhos de escavação, nomeadamente: escavação, baldeação, carga, transporte e descarga.
  6. Sempre que necessário as operações da alínea anterior poderão ser medidas separadamente em rubricas próprias.
  7. As medições indicarão a distância média provável de transporte e, sempre que possível, o local de aterro, de depósito ou vazadouro dos produtos da escavação.

6.3.2 – Reposição de terras ou aterro para enchimento

  1. A medição será realizada em m3
  2. A medição engloba todas as operações necessárias à execução dos trabalhos de aterro.
  3. As medições mencionarão as características e as espessuras das camadas de aterro mencionadas no projecto.
  4. As medições indicarão a origem dos locais de escavação dos produtos a utilizar no aterro.

6.3.3 – Regularização e compactação superficial

  1. A medição será realizada em m2
  2. As medições serão efectuadas segundo as áreas determinadas em projecção horizontal.
  3. Estas regras não se referem à regularização de paramentos verticais de escavações, cuja medição estará incluída na própria escavação.
  4. A medição da compactação e regularização superficial de taludes de diferentes inclinações deverá fazer-se em rubricas separadas.
  5. As medições indicarão a espessura das camadas de terrenas interessadas na compactação.
  6. A compactação superficial de terras só será considerada isoladamente quando não for acompanhada de reposição de terras.
  7. A escavação de terras de depósito ou de empréstimo necessárias à execução dos aterros será incluída no sub-subcapítulo Escavação livre do presente sub-capítulo.

6.3.4 – Escoramento e entivação

  1. A medição será realizada em m2 de paramento escorado e entivado.
  2. Sempre que necessário, as medições serão realizadas de modo a que os trabalhos fiquem individualizados segundo:
  3. a natureza dos materiais empregados para o escoramento ou entivação;
  4. as condições de execução dos trabalhos.

6.3.5 – Movimento de terras para canalizações e cabos enterrados

  1. As operações de abertura de valas ou trincheiras, seu escoramento e entivação, reposição de terras e compactação, necessárias ao movimento de terras destinado à execução de canalizações e cabos enterrados, poderão ser medidas em conjunto, sendo neste caso, a medição realizada em m3 de terreno a movimentar.
  2. Quando se adoptar a regra da alínea anterior, os volumes de movimento de terras correspondentes às diferentes camadas indicadas na alínea b) do sub-capítulo. Abertura de valas, trincheiras e poços, serão medidos separadamente em rubricas próprias.
  3. Quando não se adoptar a regra da alínea a) e forem medidas separadamente a escavação, a reposição de terras e a compactação, só são deduzíeis os volumes ocupados pelas canalizações e cabos enterrados iguais ou superiores a 0,1 m3 por metro de tubagem.

Artigos relacionados