Procedimentos de segurança – Gruas

14/09/2012 | Biblioteca - Procedimentos segurança








Perigos mais frequentes

  • Queda de pessoas a nível diferente
  • Queda de pessoas ao mesmo nível
  • Queda da grua
  • Queda de objectos desprendidos
  • Choque contra objectos imóveis
  • Pancadas e cortes por objectos ou ferramentas
  • Entaladela ou esmagamento
  • Sobre-esforços ou posturas inadequadas
  • Contactos eléctricos

Causas principais

  • Utilizar máquinas ou acessórios defeituosos
  • Não estabilizar devidamente a máquina
  • Utilizar inadequadamente as gruas (para arremessar ou arrancar objectos, cargas mal estivadas ou mal amarradas…)
  • Elevar pessoas (excepto se a elevação for efectuada em bailéu certificado)
  • Trabalhar em condições atmosféricas adversas (vento, chuva ou nevoeiro intenso)
  • Ultrapassar os limites de carga da máquina
  • Manobrar sem prudência
  • Não avaliar correctamente a altura das linhas eléctricas aéreas
  • Falta de manutenção ou conservação deficiente
  • Efectuar a manutenção ou reparação com a máquina ligada
  • Não utilizar os EPI(s) adequados, nomeadamente contra quedas em altura
  • Trabalhadores sem formação e desconhecimento dos riscos.

Medidas de prevenção aconselhadas

  • Devem ser obtidas as informações relativas ao terreno que permitam calcular com rigor as sapatas, tendo em conta as solicitações do conjunto composto pela base, grua e carga máxima permitida
  • Durante a montagem, os trabalhadores devem usar arnês anti queda e calçado anti derrapante
  • As massas da grua devem estar ligadas directamente à terra (com eléctrodo separado da rede do estaleiro) com um valor mínimo de 20 ohm. A alimentação eléctrica deve estar protegida com disjuntor diferencial de 300 mA
  • Os manobradores devem ter formação adequada e devidamente registada e ser sujeitos a exames médicos específicos e adequados, aquando da sua admissão e anualmente
  • O manobrador deve verificar diariamente o bom estado de funcionamento dos meios de elevação quanto a deformações ou fios partidos, freios e a patilha de segurança dos ganchos, bem como os comandos dos diversos movimentos
  • Se a máquina for utilizada em trabalhos nocturnos, deve estar equipada com projectores
  • A movimentação segura das cargas exige o conhecimento prévio do seu peso (caso não seja conhecido, pode ser estimado calculando o volume e multiplicando-o pelo peso especifico do material a movimentar, por exemplo: madeira 0,8, pedra e betão 2,5 e aço ou ferro 8). Ao peso da carga deve adicionar-se o peso dos elementos auxiliares (estropos, correntes…)
  • Todas as operações de elevação devem ser realizadas de acordo com o diagrama de cargas do equipamento
  • O aviso sonoro (buzina) deve ser mantido em bom estado de funcionamento
  • Quando necessário, devem ser delimitados e sinalizados os percursos das cargas suspensas
  • Deve ser expressamente proibida a utilização da grua como meio de arremesso ou para arrancar objectos fixos. Atenção: Um puxão violento num cabo produz um esforço que pode ultrapassar largamente o exigido pela carga (e o limite de carga do cabo)
  • Deve ser rigorosa a observância das condições de utilização, dimensionamento e conservação dos cabos de aço. Devem ser usadas roldanas e moitões apropriados para cada cabo
  • Deve ser evitado o arrastamento dos cabos pelo solo ou por cima de objectos ásperos ou duros
  • Os cabos de aço devem ser inspeccionados diariamente e imediatamente substituídos (e inutilizados) sempre que apresentem sinais de desgaste, deformação, vincos ou 10% dos fios partidos
  • Cada porção de corrente, cabo, correia de elevação, manilhas ou estropos que não façam parte de um conjunto deve ostentar uma marca, ou, quando tal não for possível, uma placa ou anel inamovível com referências sobre o fabricante ou o fornecedor estabelecido na Comunidade Europeia e com identificação do respectivo certificado.
  • Cada acessório deve ostentar as seguintes marcas: identificação do fabricante (ou fornecedor instalado na CE), indicação da carga máxima de utilização e marcação «CE»
  • A lança da grua deve possuir em toda a sua extensão um passadiço dotado de guarda-corpos ou uma linha de vida, para efectuar as reparações e manutenções necessárias (esta regra é dispensável caso a grua permita executar a manutenção e reparações a partir do solo)
  • A grua só deverá ser utilizada após a empresa instaladora realizar um ensaio de carga e passar o respectivo certificado de conformidade, esse ensaio deve ser periodicamente repetido
  • O manobrador deve avaliar previamente as condicionantes do local, evitando que as cargas suspensas sobrevoem a área do estaleiro social ou outras áreas de trabalho com maior frequência de trabalhadores
  • Os botões do comando devem estar protegidos com anéis e, funcionarem de acordo com o «princípio do homem morto», isto é, quando largados o movimento cessa
  • Deve-se garantir que todas as especificações de montagem estão cumpridas e bem executadas. É obrigatória a afixação de uma placa com indicação da carga máxima, legível a partir do solo, bem como de placas indicativas de carga máxima ao longo da lança, de 10 em10 metrose legíveis a partir do solo. Deve também ser afixada uma placa com identificação do fabricante, ano de fabrico e n.º de série
  • Devem ser efectuadas verificações, no mínimo semanalmente, e devidamente registadas
  • Devem estar dotadas de protecções adequadas todas as engrenagens, transmissões, motores, etc…
  • A grua deve estar equipada com limitadores de carga e fins de curso superiores e inferiores
  • Se existirem linhas eléctricas aéreas nas proximidades, o manobrador deve avaliar previamente as condicionantes do local, especialmente o afastamento às linhas eléctricas aéreas e nunca aproximar a lança a menos de5 mdas mesmas para tensões superiores a 60 Kv e3 mpara tensões inferiores ou iguais a 60 Kv
  • Se tal não for possível, deve ser solicitado à concessionária o isolamento ou o desvio da linha
  • Deve ser rigorosamente proibida a elevação ou movimentação de pessoal
  • O trabalho deve ser suspenso sempre que o vento sopre com velocidade superior a40 km/h(ou ao limite fixado pelo fabricante), chova com intensidade ou o nevoeiro não permita ao manobrador seguir visualmente o trajecto da carga
  • Qualquer anomalia no bom funcionamento da máquina deve ser de imediato comunicada ao encarregado da obra
Procedimentos de segurança e gestão de obra

Procedimentos partilhados por:

InObra – Fiscalização e Gestão de Obras
Rua Vale da Vermelha nº 57 – Albergaria-a-Velha
Tel: 234 522 062 / 964 595 531