Critérios de medição de armaduras

26/12/2021Critérios de medição

9.1 – Regras gerais

  1. As medições serão discriminadas por elementos de construção
  2. As medições deverão indicar as referências de identificação mencionadas no projecto para cada elemento de construção, de forma a assegurar a coordenação das peças escritas e desenhadas e a permitir a sua verificação..
  3. As medições das armaduras serão realizadas de modo a ficarem individualizadas em rubricas próprias os trabalhos relativos aos diferentes tipos de aços utilizados em armaduras, nomeadamente em:
    1. varões;
    2. redes electrossoldadas;
    3. perfilados;
    4. armaduras para pré-esforço.
  4. Cada rubrica das medições será decomposta, de preferência, de acordo com as características gerais das armaduras indicadas no projecto, nomeadamente as de natureza regulamentar e das condições de aplicação.
  5. As medidas para determinação das medições serão obtidas a partir das formas geométricas indicadas no projecto. Refira-se que esta regra destina-se a facilitar o cálculo das medições e está de acordo com
  6. As percentagens para quebras, para desperdícios ou para sobreposições, quando estas não estiverem assinaladas no projecto, serão previstas nas composições dos custos, como foi justificado na nota da alínea anterior.
  7. A medição engloba todas as operações relativas à execução dos trabalhos de armaduras, nomeadamente fornecimento e transporte de aços, dobragens, armações, ligações, emendas, carga, transporte, descarga e colocação em obra.
  8. Sempre que necessário, as operações da alínea anterior poderão ser separadas em rubricas próprias
  9. Os elementos de construção a considerar em cada projecto, nas medições de armaduras, serão os mesmos que foram indicados nas medições de betão.

9.2 – Aço em varão

  1. A medição será realizada em kg;
  2. A determinação das medidas para o cálculo das medições obedecerá às regras seguintes:
    1. Os comprimentos serão determinados em m e convertidos em kg, de acordo com a massa nominal dos varões.
    2. Os comprimentos serão medidos tendo em consideração os levantamentos, os ganchos de amarração e as sobreposições, quando estas estiverem assinaladas no projecto.
    3. As emendas de varões, por soldadura eléctrica ou por ligações roscadas, serão medidas à unidade (un).
    4. A medição de cada diâmetro nominal será individualizada em rubrica própria

9.3 – Redes electro soldadas

  • A medição será realizada em kg.
  • A determinação das medidas para o cálculo das medições obedecerá às regras seguintes:
    1. As áreas serão determinadas em m2 e convertidas em kg, de acordo com a massa nominal das redes.
    2. As deduções relativas a aberturas existentes nas redes electrossoldadas só serão consideradas quando a sua área for superior a 0,50 m
    3. As áreas serão medidas tendo em consideração os levantamentos, ligações de amarração e as sobreposições quando estas estiverem assinaladas no projecto.
  • A medição de cada tipo de rede será individualizada em rubrica própria

9.4 – Armaduras de pré-esforço

  • A medição indicará, sempre que possível, a força mínima de pré-esforço útil, expressa em kN, que é necessária instalar.
  • A medição das armaduras de pré-esforço deverão ser realizadas em kN.m correspondentes ao produto do valor de pré-esforço útil final mínimo instalado e definido no projecto, pelo comprimento real do cabo entre ancoragens.
  • No caso das armaduras e o respectivo sistema de pré-esforço estarem indicadas no projecto, a medição poderá ser realizada em kg, sendo determinada pelo valor nominal normalizado das armaduras referenciadas e pelo comprimento real do cabo entre ancoragens.
  • As bainhas deverão ser medidas em m com o comprimento real do cabo entre ancoragens, e estas serão medidas à unidade (un).
  • A medição engloba todos os trabalhos relativos à execução das armaduras de pré-esforço, nomeadamente fornecimento e transporte de todos os materiais, preparação, montagem e todas as operações de pré-esforço, incluindo a calda de injecção.
  • Sempre que necessário, as operações da alínea anterior poderão ser separadas em rubricas próprias.
  • A medição das armaduras nas zonas de amarração das armaduras de pré-esforço é feita segundo as regras definidas no sub-capítulo Aço em varão.

9.5 – Armaduras de pré-esforço

  • A medição indicará, sempre que possível, a força mínima de pré-esforço útil, expressa em kN, que é necessária instalar.
  • A medição das armaduras de pré-esforço deverão ser realizadas em kN.m correspondentes ao produto do valor de pré-esforço útil final mínimo instalado e definido no projecto, pelo comprimento real do cabo entre ancoragens.
  • No caso das armaduras e o respectivo sistema de pré-esforço estarem indicadas no projecto, a medição poderá ser realizada em kg, sendo determinada pelo valor nominal normalizado das armaduras referenciadas e pelo comprimento real do cabo entre ancoragens.
  • As bainhas deverão ser medidas em m com o comprimento real do cabo entre ancoragens, e estas serão medidas à unidade (un).
  • A medição engloba todos os trabalhos relativos à execução das armaduras de pré-esforço, nomeadamente fornecimento e transporte de todos os materiais, preparação, montagem e todas as operações de pré-esforço, incluindo a calda de injecção.
  • Sempre que necessário, as operações da alínea anterior poderão ser separadas em rubricas próprias.
  • A medição das armaduras nas zonas de amarração das armaduras de pré-esforço é feita segundo as regras definidas no sub-capítulo Aço em varão.

Índice

Notas gerais

Estaleiro

Estrutura

Arquitectura

Arranjos exteriores

  • 27 - Pavimentos exteriores
  • 28 - Pavimentos betuminosos
  • 29 - Jardins
  • 30 - Mobiliário urbano
  • 31 - Vedações

Instalações especiais

Reabilitação

  • 37 - Reabilitação de alvenarias
  • 38 - Reabilitação de betão armado
  • 39 - Reabilitação de cantarias
  • 40 - Reabilitação de carpintarias
  • 41 - Reabilitação de serralharias
  • 42 - Reabilitação de estuques
  • 42 - Reabilitação de azulejos