Introdução à orçamentação 9 – Custos de estaleiro

21/02/2011Biblioteca - Introdução orçamentação

Definição

Os custos de estaleiro são as despesas que não são imputáveis separadamente a determinadas actividades ou tarefas específicas.

Introdução

A obtenção dos custos de estaleiro é na sua estrutura em tudo semelhante à dos custos directos. Apenas nas medições se verificam diferenças. As medições dos custos directos, ou acompanham o projecto ou podem ser obtidas facilmente (de um modo concreto e exacto) a partir dele.

As medições de custos de estaleiro são muito mais subjectivas, dependendo de uma grande quantidade de trabalhos a realizar de difícil quantificação como a extensão de plataformas e acessos, a área de instalações a montar, os meses de permanência de uma grua em obra, etc.

Os elementos base de medição para a obtenção dos custos de estaleiro dependem pois da empresa construtora, dos processos de construção, do equipamento disponível e do seu prazo de utilização, etc. Por este motivo, apenas depois de executado o plano de estaleiro bem como a programação da obra, se podem calcular com maior rigor os custos do estaleiro.

Os prazos para apresentação das propostas são normalmente curtos, pelo que se exige da equipa encarregue do orçamento uma grande organização, disponibilidade, rigor, concentração e método de trabalho, sob pena de não se entregar atempadamente a proposta e/ou se cometerem lapsos orçamentais graves, que podem acarretar prejuízos irreversíveis para a empresa.

Contudo, nem sempre nas (normalmente apertadas) fases do concurso é possível o conhecimento destes elementos, pelo que alguns custos deverão ser calculados por estimativa, sendo a revisão mais rigorosa do orçamento feita após a eventual adjudicação da obra.

A essa revisão chama-se “reorçamentação” e destina-se sobretudo a possibilitar a avaliação dos meios humanos, materiais, financeiros e de equipamento a utilizar na obra, bem como para controlar custos durante a sua realização. Nessa fase é muito importante o cálculo da percentagem relativa entre os custos de estaleiro e custos directos, pois poderá ser utilizada como estimativa em futuros orçamentos de obras com as mesmas características.

Em situações correntes de estaleiros de construção de edifícios, a percentagem de custos de estaleiro varia entre 5% e 25% dos custos directos. Esta percentagem varia sobretudo com dois factores:

O primeiro factor tem a ver com a distância entre a obra e o estaleiro central da empresa. Quanto maior for essa distância maiores serão os custos de estaleiro, pois tornará necessário:

  • maior número de pessoal deslocado e portanto mais instalações sociais (camaratas, instalações sanitárias, cozinha, refeitório);
  • maior quantidade de equipamento em obra por impossibilidade de deslocação rápida;
  • recurso a aluguer local de equipamento corrente, em detrimento de equipamento da própria empresa.

O segundo factor tem a ver com o tipo de obra. Há a notar, por exemplo, que:

  • obras de execução de contenções periféricas e, genericamente, de estruturas) necessitam de equipamento pesado;
  • obras de acabamentos não necessitam de equipamento pesado.

Devem, igualmente, incluir-se nos custos de estaleiro despesas que, embora atribuíveis a actividades bem definidas, sejam contabilizadas com mais rigor de forma global do que individualmente, por actividade. É o caso por exemplo da grua anteriormente referida, ou dos custos relativos ao aluguer de uma central de betão, atribuídos normalmente pela sua permanência em obra, independentemente de produzir mais ou menos betão.

Na construção de edifícios, os custos de estaleiro podem, em geral ser discriminados da seguinte forma:

Montagem de estaleiro

  • Plataformas, acessos e vedação (abertura ou melhoramento de acessos à obra, criação de plataformas de trabalho e vedação da obra).
  • Infra-estruturas provisórias (despesas com o estabelecimento de redes de água, esgotos, electricidade ou telefone, para o funcionamento e serviço do estaleiro).
  • Montagem de instalações de estaleiro (portaria, escritório, ferramentarias, dormitórios, refeitórios, instalações sanitárias, oficinas, telheiros para recolha de materiais, etc.) incluindo transportes para a obra.
  • Montagem de equipamento (gruas, centrais de betão, britadora, etc.) incluindo transportes para a obra.
  • Manutenção do estaleiro

Mão-de-obra

  • pessoal técnico e administrativo (director de obra, controladores, preparadores de obra, apontador, etc., se, nos critérios da empresa, não forem imputáveis aos encargos gerais);
    apontadores;
  • chefia (encarregados, capatazes);
  • ferramenteiros;
  • manobradores (do equipamento não directo como gruas, centrais, betoneiras, dumpers, etc., e cujo custo não esteja incluído no respectivo aluguer);
  • mecânicos e electricistas;
  • pessoal específico para cargas, descargas, arrumações e limpezas do estaleiro;
  • cozinheiros e ajudantes;
  • guardas do estaleiro;
  • enfermeiros, etc.;

Aluguer de equipamento;

  • aluguer de instalações quando desmontáveis, como pré–fabricados, módulos, etc.;
  • aluguer de equipamento produtivo como gruas, britadores, centrais de betão, geradores, dumpers, guinchos, etc.;
  • aluguer de equipamento ligeiro como vibradores, bombas, escadas, carros-de-mão, baldes, etc.;
  • aluguer de mobiliário de escritório, camas, mesas, cadeiras, fogões, frigoríficos, etc.;

Despesas gerais do estaleiro;

  • consumos de água, electricidade e combustível do equipamento não directo;
  • despesas com telecomunicações
  • seguros, taxas, impostos;
  • outras despesas correntes.

Desmontagem do estaleiro

  • Desmontagem do equipamento e instalações do estaleiro
  • arranjo final da zona dos trabalhos.