Introdução

O cálculo dos encargos sociais para cada categoria profissional varia de empresa para empresa devido às diferentes políticas salariais, quer ao nível dos vencimentos bases, como ao nível dos encargos variáveis.

Embora pareça simples, é na verdade um dos grandes mistérios da construção civil. Afinal bastava dividir os custos anuais de uma categoria profissional pelo número de horas trabalhado. Simples , não é? Então perguntem (com jeitinho) aos recursos humanos da vossa empresa.

A dificuldade é que os recursos humanos das empresas não sabem (ou não querem) fazer estes cálculos e a tabela da Aecops está pensada numa lógica de funcionalismo publico com ordenados tabelados, faltas remuneradas e sem formas criativas de fugir aos impostos como os prémios de produtividade, de deslocação, de assiduidade.

Um dos truques que uso muito para verificar se os meus valores horas estão correctos (tão correctos quanto é possível estar) é ver os preços de cedência de mão-de-obra das empresas de trabalho temporário. A margem de lucro contida nesses valores dá-nos uma folgazita que dará sempre jeito.

A forma mais correcta que conheço para calcular o custo hora da mão-de-obra é somar os custos anuais que a empresa têm com uma categoria profissional e dividir pelo número de horas trabalhadas por ano.

Horas trabalhadas por ano

Este cálculo foi feito para o ano de 2021 que têm 8 feriados durante a semana e 3 pontes.


Descrição Semanas Dias Horas Total
Horas no ano 52 5 dias 8 horas 2080 horas
Horas a deduzir:
▪ Férias 22 dias 8 horas -176 horas
▪ Feriados e tolerância de ponto 11 dias 8 horas -88 horas
▪ Faltas remuneradas 3 dias 8 horas -24 horas
▪ Formação 5 dias 7 horas -35 horas
▪ Dispensas e faltas justificadas 2 dias 8 horas -16 horas
▪ Inatividade devido ao mau tempo 6 dias 8 horas -48 horas
Total -211 horas
Número de horas efectivas de trabalho: 2080-211 = 1869 horas

Custos anuais

Estes cálculos são um servente que ganhe o salário mínimo. Talvez o aspecto mais controverso sejam os prémios de assiduidade e de produtividade.

O problema é que actualmente andamos com uma falta enorme de mão de obra, os preços andam muito instáveis e a qualidade média dessa mão-de-obra é mazinha. Considerar estes dois subsídios no preço base, dá-nos uma almofadinha para compensar variações súbitas e a sua pouca produtividade.

Descrição % Meses Valor Total
▪ Vencimento base 12 meses 665,00 € 7 980,00 €
▪ Subsídio de férias 1 meses 665,00 € 665,00 €
▪ Subsídio de Natal 1 meses 665,00 € 665,00 €
▪ Taxa social única 23,75% 14 meses 665,00 € 2 211,13 €
▪ Subsídio de almoço 233,6 dias 4,77 € 1 114,39 €
▪ Segurança e saúde no trabalho 5,00% 7 980,00 € 399,00 €
▪ Formação profissional 2,00% 7 980,00 € 159,60 €
▪ Desgaste de ferramentas 5,00% 7 980,00 € 399,00 €
▪ Prémio de produtividade 15,00% 11 meses 665,00 € 1 097,25 €
Total de custos 14 690,37 €

Preço hora


Descrição Valor anual Horas Valor hora Valor dia
Custo com encargos 14 690,37 € 1869 horas 7,86 €/hora 62,88 €/dia
Custo sem encargos 9 310,00 € 1869 horas 4,98 €/hora 39,85 €/dia
Percentagem de encargos sociais 58% 58%

 

Download ficheiro de cálculo dos encargos sociais da mão-de-obra